cabecalhoRC.jpg

Notícias

 

DIGA  NÃO  À  HOMOFOBIA

 

As manifestações de homossexualidade já foram vistas de diversas maneiras pela sociedade no mundo ocidental. Na antiguidade foram

aceitas, na Idade Média vistas como pecado, a partir daí foram criminalizadas e depois consideradas como doença até tempos recentes.

 

A Organização Mundial da Saúde reconheceu em 17 de maio de 1990 que a homossexualidade não é uma doença, nem distúrbio mental e muito menos perversão, e aprovou a sua retirada da Classificação Internacional de Doenças. A partir de então, a data foi definida como Dia Internacional Contra a Homofobia e a Transfobia e em nosso País, desde 2010 esse é o Dia Nacional de Luta Contra a Homofobia.

 

Vale lembrar que o Brasil foi signatário de diversos acordos internacionais em que foram definidos os direitos sexuais e reprodutivos das pessoas. Um dos direitos sexuais é o direito de escolher a parceira ou parceiro sem discriminação, e com liberdade e autonomia para expressar sua orientação sexual, se assim o desejar.

 

Outro direito sexual é o de viver a sexualidade sem medo, vergonha, culpa ou falsas crenças e outros impedimentos à livre expressão dos desejos.  Esses direitos foram aprovados na IV Conferência Internacional da Mulher realizada em Pequim em 1995 e foram ratificados em diversos foros como o Consenso de Montevidéu de 2013.

 

O Brasil implantou uma politica pública em 2014, - Brasil sem homofobia-, no entanto, o preconceito, a discriminação, o desrespeito, a violência e os crimes contra pessoas que têm uma orientação sexual diferente da heterossexualidade continuam presentes cotidianamente na escola, no trabalho, nas ruas.

 

Então, hoje é dia de convocar a todas as pessoas da sociedade para que atualizem suas informações sobre as diversidades sexuais, incorporem a noção de direitos humanos, respeitem os direitos sexuais das pessoas e não discriminem as pessoas por sua orientação sexual.

 

A Reprolatina em sua missão de contribuir para a promoção e defesa dos direitos sexuais e reprodutivos está engajada no enfrentamento da homofobia, comemora as conquistas da população LGBT, e convida você a reconhecer que o respeito às diferenças e a ausência de  discriminação permitem o exercício de uma cidadania plena e a construção e uma sociedade melhor e mais justa.